O que é mentira sobre o Coronavírus?

Mensagens que se tornaram “virais” nos aplicativos de comunicação

Nos últimos dias tenho recebido uma enxurrada de mensagens pelo aplicativo WhatsApp sobre a doença causada pelo novo Coronavírus (COVID-19). Por duas vezes eu recebi mensagens com informações sobre o vírus no famoso “grupo da família” do WhatsApp. Tratam-se de fake news que vão desde de “beba água quente e esteja imune” a “temos uma vacina que erradicará a doença”.

A Fiocruz se manifestou alegando que tais afirmações são falsas mas se absteve de maiores esclarecimentos. Como cientista, acredito que um dos meus papéis é ajudar a sociedade a entender sobre os mais diversos temas que a ciência abrange, ainda que não sejam da minha expertise.

Nesse contexto, seguem abaixo maiores informações coletadas após revisão em artigos científicos e uso de sites de referencias confiáveis a fim de combater noticias que vêm sendo divulgadas de forma equivocada, gerando maior desinformação acerca do assunto.

“O coronavírus é maior do que o normal. O diâmetro da célula é de 400-500 microns e, por esse motivo, qualquer mascara impede a sua entrada no organismo.

O tamanho do novo coronavírus (SARS-CoV-2) mede aproximadamente 50-200 nanômetros de diâmetro. Partículas de SARS, um vírus similar, possuem cerca de 100 nanômetros (0.1 mícron) de diâmetro, um tamanho médio para a grande maioria dos vírus.

Um diâmetro de 500 mícrons colocariam o novo coronavírus como um vírus 5.000 vezes maior do que o tamanho normal, do tamanho aproximado de um fio de cabelo, o que não é verdade (figura 1).

É necessário ressaltar ainda, que o recomendado é que apenas os portadores da doença utilizem a máscara. Ou ainda, pessoas que estão em contato muito próximo com doentes o dia todo (em geral, médicos e enfermeiros ou quem cuida de doentes em casa). Para os contaminados, apenas a máscara cirúrgica é recomendada, por questões higiênicas. Já para os profissionais que estão em constante risco de contaminação é recomendado que se utilize o respirador de partículas N95, também conhecida como máscara N95, capaz de filtrar partículas a partir de 300 nanômetros de diâmetro, gerando maior proteção.

Outro ponto é: Se você é saudável e utiliza a máscara, você dificulta o acesso a quem precisa utilizá-la. E basta que uma pessoa doente não esteja utilizando a máscara, para que as gotículas de vírus dessa pessoa infecte várias outras não só através do contato direto mas também simplesmente por uma pessoa não doente encostar em qualquer lugar que tenha gotículas contendo vírus.

Figura 1. Comparação de tamanhos entre diferentes estruturas e organismos.

“O vírus não se propaga no ar”

Estudos recentes mostram que o vírus pode ser detectado no ar por até 3 horas após aerossolização, como a tosse e espirro, sendo um tempo de viabilidade relativamente longa para aerossóis. E em superfícies podem ficar viáveis por até 4 horas em cobre, por até 24 horas em papelão e por até 2 a 3 dias em plástico e aço inoxidável. Lembrando que o estudo foi feito em condições controladas de temperatura (21º C a 23 ° C) e 40% de umidade relativa ao longo de 7 dias.

“O vírus exposto a uma temperatura de 26-27 graus morre”
“Evite comer alimentos frios, os alimentos quantas são mais seguros visto que o calor elimina o vírus”
“A água que seja exposta ao sol poderá ser consumida sem qualquer perigo”

Não há evidencia cientifica suportando a ideia de que mudanças em temperatura afetem a transmissão do SARS-CoV-2. Parte dos que acreditam na sazonalidade do vírus se baseiam em estudos realizados durante a epidemia de SARS entre 2002-2003.

Estudos mais recentes mostram que o vírus pode ser sensível a altas temperaturas e que pode haver sazonalidade, porém, é prematuro assumir que o SARS-CoV-2 possa morrer em contato com altas temperaturas, uma vez que o vírus também pode passar por mutações e se tornar resistente a vulnerabilidades de temperatura. Além disso, um outro estudo mostra que a transmissão sustentada e o rápido aumento em infecções é possível em uma faixa de condições de umidade – do frio e seco – como em províncias da China a locais tropicais como regiões de Singapura.

Os estudos citados não passaram por revisão por pares, reforçando-se que se trata de uma questão em aberto. Mais estudos sobre efeitos de temperatura e umidade para a transmissão do novo Coronavírus são necessários a fim de elucidar a questão.

“O coronavírus quando cai numa superfície de metal, permanece vivo durante 12h.”
“O vírus só vive nas mãos durante 10 minutos. Assim, usar um desinfectante em gel irá o eliminar”

Lave bem as mãos com água e sabão.

A depender do tipo de material, o vírus pode se manter vivo em períodos que variam de horas a dias em superfícies inanimadas como plásticos, metais e vidros. 

Não ha evidência de quanto tempo exatamente o vírus pode permanecer vivo nas mãos, porém, por se tratar de um vírus envelopado, seu tempo de vida pode ser maior. Lavar as mãos com água e sabão ou desinfectá-las com álcool 62-71% em gel reduz significantemente a infecciosidade do vírus. Também deve ser evitado o contato com olhos, nariz e boca.

“Gargarejar com água morna ou salgada mata os vírus que se alojem nas amígdalas e evita que passem para os pulmões”

De acordo com a Sociedade Brasileira de Infectologia, não há relação causa-consequência entre a dor de garganta (um do possíveis sintoma da doença) e a permanência do vírus por 4 dias nas amígdalas com posterior ida para os pulmões. O quadro da doença varia de individuo para individuo. 

Além de que, o Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde advertem que “até o momento, não há nenhum medicamento, substância, vitamina, alimento específico ou vacina que possa prevenir a infecção pelo novo coronavírus”.

Microscopia Eletrônica de Transmissão de partículas de SARS-CoV-2, isolados de pacientes. Crédito: NIAID

Finalizo os breves esclarecimentos ressaltando que as fake news prejudicam o combate a doença. A disseminação de conteúdos falsos conta com a desinformação da população e a capacidade de atingir um grande número de pessoas em pouco tempo com o auxílio das redes sociais. 

Minha dica é: Antes de compartilhar um texto, analise-o, cheque se sua fonte é confiável e então o compartilhe. Caso se trate de conteúdo suspeito, pode ser denunciado pelas mídias sociais ou enviado para agências de checagem de fatos especializadas em confirmar ou desmentir discursos políticos, vídeos e até mesmo as correntes de WhatsApp.

Referências

  • Ho, Y., Lin, P. H., Liu, C. Y., Lee, S. P., & Chao, Y. C. (2004). Assembly of human severe acute respiratory syndrome coronavirus-like particles. Biochemical and biophysical research communications318(4), 833-838. 
  • Kampf, G., Todt, D., Pfaender, S., & Steinmann, E. (2020). Persistence of coronaviruses on inanimate surfaces and its inactivation with biocidal agents. Journal of Hospital Infection.
  • Luo, W., Majumder, M. S., Liu, D., Poirier, C., Mandl, K. D., Lipsitch, M., & Santillana, M. (2020). The role of absolute humidity on transmission rates of the COVID-19 outbreak. medRxiv.
  • Sajadi, M. M., Habibzadeh, P., Vintzileos, A., Shokouhi, S., Miralles-Wilhelm, F., & Amoroso, A. (2020). Temperature and latitude analysis to predict potential spread and seasonality for COVID-19. Available at SSRN 3550308.
  • Tang, X., Wu, C., Li, X., Song, Y., Yao, X., Wu, X., … & Cui, J. (2020). On the origin and continuing evolution of SARS-CoV-2. National Science Review.
  • van Doremalen, N., Bushmaker, T., Morris, D., Holbrook, M., Gamble, A., Williamson, B., … & Lloyd-Smith, J. (2020). Aerosol and surface stability of HCoV-19 (SARS-CoV-2) compared to SARS-CoV-1. medRxiv.
  • Wang, M., Jiang, A., Gong, L., Luo, L., Guo, W., Li, C., … & Chen, Y. (2020). Temperature significant change COVID-19 Transmission in 429 cities. medRxiv.

Apoiadores do A Ciência Explica

  1. Leandro Lobo
  2. Celia Campos Tobaldini-Mansbach
  3. Masashi C. Inoue

Obrigado por nos apoiarem através do financiamento coletivo!

Apoie você também e ganhe recompensas, como canecas, bottons, adesivos e livros exclusivos.

Não pode ajudar financeiramente? Siga nossas redes sociais e compartilhe nossas matérias com seus amigos!

4 thoughts on “O que é mentira sobre o Coronavírus?

    1. Oi Marcello, nenhuma máscara funciona 100% na filtragem de partículas e vírus. Entre máscaras caseiras e máscaras cirúrgicas, a N95 é que funciona melhor para filtrar. Ela não é inútil, mas também não te protege 100%. Espero ter respondido sua dúvida. Abraços, Sidcley.

      1. Desculpe discordar, mas um vírus jamais será expelido depois do banho tomado e devidamente enxugado. O vírus, seja ele qual for, sempre estará agregado a gotículas de aerosóis com dimensões muitas vezes maiores que ele e por isso será contido na maioria dos tecidos, além de que, ao contrário do que se divulga, a máscara com certo grau de umidade respiratória irá exercer atração eletrostática sobre o fluido onde se encontra o vírus expelido.

Deixe uma resposta para Sidcley Lyra Cancelar resposta