Aprendizagem social e o cérebro: Como aprendemos com e sobre outras pessoas?

Os Tres Pilares Do Aprendizado

Este artigo foi escrito por nosso colaborador Victor Egrácia. Artigo traduzido e adaptado de Frontiers for Young Minds

O que é a aprendizagem social e por que é importante?

Quando você pensa sobre o que aprendeu mais recentemente, a primeira coisa que vem à mente é muito possivelmente algo que você aprendeu na escola. Por exemplo, o vocabulário de inglês que você precisa saber para a prova. Aprender essas coisas pode ser útil no futuro: se você for à Inglaterra ou aos Estados Unidos, poderá pedir informações.

O conhecimento aprendido (como o vocabulário inglês) pode ser muito importante. No entanto, além de aprender com os livros, você também pode aprender com as pessoas e sobre elas. Isso é chamado de aprendizagem social. Aprender novas informações em um contexto social, com outras pessoas sendo a fonte dessas informações. Na maioria das vezes, você está cercado por outras pessoas, incluindo sua família, professores e amigos da escola. Portanto, você provavelmente aprende com os outros e sobre eles todos os dias, talvez até mesmo sem perceber.

Como os humanos são seres sociais, o aprendizado social é uma habilidade importante, e uma forma muito eficiente de aprender coisas. Você não precisa descobrir tudo sozinho, porque você aprende com os erros e sucessos de outras pessoas. Além disso, ela pode permitir que você conheça melhor os outros e, portanto, compreenda melhor como se comportar perto deles. Essas habilidades de aprendizagem social ajudam você a ter bons relacionamentos com outras pessoas, o que é bom para o seu bem-estar.

Neste artigo, são explicados dois tipos de aprendizagem social: aprender com outras pessoas e aprender sobre outras pessoas. Para mostrar que você já usa esses tipos de aprendizagem social com frequência, serão fornecidos exemplos que você pode encontrar na escola. 

Como aprendemos com outras pessoas?

Um tipo importante de aprendizagem social é aprender com outra pessoa, observando o que ela faz. A ideia é que os erros e sucessos de outras pessoas podem lhe ensinar se você deve se comportar da mesma maneira ou de forma diferente.

Por exemplo, imagine que você está fazendo uma prova na escola, mas não sabe o suficiente sobre as respostas para obter uma boa nota. Sua amiga está sentada ao seu lado e você vê que ela já escreveu suas respostas. Você pode ficar tentado a dar uma olhada rápida, mas então, de repente, um de seus colegas é pego trapaceando e é punido. Agora você provavelmente pensará mais negativamente sobre trapacear, porque viu que isso pode resultar em punição. Em outras palavras, você aprendeu com o erro de outra pessoa que é melhor não trapacear durante uma prova.

Quando você aprende observando outras pessoas, está aprendendo sobre as escolhas que elas fazem (como trapaça) e os resultados dessas escolhas (como punição). Se os resultados forem positivos, é mais provável que você faça a mesma escolha. No entanto, se os resultados forem negativos, você provavelmente fará uma escolha diferente. 

Os cientistas descobriram que as pessoas são boas em aprender sobre as melhores escolhas a fazer. Porém, aprendemos ainda melhor se também pudermos observar outras pessoas aprendendo a mesma coisa. Quando observamos as escolhas dos outros, sejam os resultados bons ou ruins, temos informações extras sobre qual pode ser a melhor escolha. Usamos essas informações extras para melhorar nossas próprias escolhas. Portanto, nos beneficiamos de aprender com os outros, pois isso nos ajuda a fazer escolhas melhores por nós mesmos. Isso torna o aprendizado com os erros e sucessos de outras pessoas mais eficiente do que descobrir as coisas por conta própria.

Como aprendemos sobre outras pessoas?

Acabamos de explicar que as pessoas aprendem de forma eficiente com outras pessoas, observando-as. Outro tipo comum de aprendizagem social é aprender sobre outras pessoas, interagindo com elas. Quando você aprende sobre outras pessoas, você aprende como elas são e como se comportam. Para este tipo de aprendizagem, você precisa prestar atenção ao comportamento delas para que possa usar essas informações em decisões futuras.

Imagine que você diz a uma de suas colegas que gosta do menino sentado a duas mesas de distância. Entretanto, acontece que sua colega de classe na verdade não é confiável: seu segredo acaba sendo repassado para toda a classe e você fica muito chateado. Nesse caso, você pode ter aprendido que é melhor não contar a ela seus segredos novamente.

Embora haja muitas coisas que você pode aprender sobre outras pessoas, muitos cientistas estudam como aprendemos sobre a confiabilidade de outras pessoas. Aprender em quem você pode confiar é muito importante, porque ajuda você a decidir se pode acreditar nas coisas que uma pessoa diz.

Os cientistas descobriram que, durante a adolescência, nos tornamos melhores e mais rápidos em aprender em quem podemos confiar e quem não merece nossa confiança. Desta maneira, durante o desenvolvimento, tornamo-nos melhores em aprender sobre os outros. Este tipo de aprendizagem social nos ajuda a decidir como nos comportarmos perto dos outros, o que é necessário para construir bons relacionamentos.

Como funciona a aprendizagem social?

Agora que foram conceituados esses dois tipos de aprendizagem social, pode ser explicada como funciona a aprendizagem social. Quando você aprende algo, está atualizando o que sabe com as novas informações. Seu cérebro está envolvido nessa atualização: funciona como uma calculadora. Ou seja, seu cérebro está constantemente calculando a diferença entre o que você espera que aconteça e o que realmente acontece. Se algo inesperado acontecer, isso pode te surpreender. A surpresa é chamada de erro de previsão, aquela “surpresa” quando há uma diferença entre o que você espera que aconteça e o que realmente acontece. Você cometeu um erro no que previu que aconteceria. Seu cérebro nota esse erro de previsão e garante que você aprenda com ele, atualizando o que você já sabe com as novas informações.

No caso da aprendizagem social, considere o exemplo que foi discutido antes, quando você contou a sua colega sobre sua paixão secreta. Você esperava que ela ficasse quieta, mas ela não o fez. Então, o que aconteceu foi bastante surpreendente porque foi diferente do que você esperava. Seu cérebro nota o erro de previsão e usa essa nova informação para atualizar o que você sabe sobre sua colega. Ou seja, você aprendeu sobre sua colega de classe e não vai confiar nela facilmente seus segredos novamente

Que partes do cérebro estão envolvidas?

Para fazer todos os cálculos necessários para o aprendizado social, várias áreas do seu cérebro são usadas. Os cientistas descobriram pelo menos duas áreas do cérebro que são importantes para a aprendizagem social, chamadas de striatum ventral, área do cérebro que está, entre outras, envolvida na aprendizagem (social) porque calcula erros de previsão. O córtex pré-frontal medial (mPFC) Área do cérebro está envolvida, entre outras coisas, no aprendizado social porque, quando há um erro de previsão, o mPFC atualiza suas expectativas incorretas no cérebro com as novas informações que você aprendeu. Eles fizeram essas descobertas usando um scanner de ressonância magnética do cérebro de pessoas.

O estriado ventral é uma área no meio do cérebro que você usa quando toma decisões, quando gosta de algo e quando algo é recompensador. Além disso, o estriado ventral é importante para calcular os erros de predição [4]. Portanto, é uma área importante do cérebro para o aprendizado regular e social.

O mPFC é uma área na frente do cérebro, que parece particularmente importante para pensar sobre o que os outros estão pensando e para tomar decisões que envolvem outras pessoas. Além disso, o mPFC está envolvido no aprendizado: Depois que os erros de previsão são calculados pelo estriado ventral, o mPFC atualiza as expectativas que você tinha com as novas informações. O mPFC é, portanto, outra área importante do cérebro para a aprendizagem social.

Assim, o estriado ventral e o mPFC desempenham papéis na aprendizagem social. No entanto, é importante perceber que essas áreas cerebrais estão envolvidas em outros comportamentos, além do aprendizado social. Além disso, o estriado ventral e o mPFC não são as únicas partes do cérebro usadas durante o aprendizado social – muitas áreas do cérebro estão envolvidas. Todas essas áreas do cérebro trabalham juntas e se comunicam enquanto você aprende em situações sociais complexas.

Por fim, agora que você sabe mais sobre aprendizagem social, pode pensar em seus exemplos próprios de quando aprendeu com outras pessoas ou sobre elas. Talvez você possa pensar em maneiras pelas quais uma aprendizagem social prevê a aprender com mais eficiência ou a decidir a melhor maneira de se comportar perto dos outros. Na próxima vez que você assistir ou conhecer outras pessoas, pense nos cálculos incríveis que estão ocorrendo em seu cérebro!

REFERÊNCIAS

  1. Bandura, A. 1977. Social Learning Theory. New York, NY: General Learning Press.
  2. Van den Bos, W., van Dijk, E., and Crone, E. A. 2012. Learning whom to trust in repeated social interactions: a developmental perspective. Group Process. Intergroup Relat. 15:243–56. doi: 10.1177/1368430211418698
  3. Nussenbaum, K., and Cohen, A. 2018. Equation invasion! How math can explain how the brain learns. Front. Young Minds 6:65. doi: 10.3389/frym.2018.00065
  4. Joiner, J., Piva, M., Turrin, C., and Chang, S. W. 2017. Social learning through prediction error in the brain. NPJ Sci. Learn. 2:8. doi: 10.1038/s41539-017-0009-2
  5. Hoyos, P. M., Kim, N. Y., and Kastner, S. 2019. How is magnetic resonance imaging used to learn about the brain? Front. Young Minds 7:86. doi: 10.3389/frym.2019.00086

Deixe seu comentário