Retrospectiva Microbiando: o ano do coronavírus

O Ano Do Coronavírus

Quando lançamos o episódio especial de Natal, em 2019, a nossa equipe estava programando uma mini férias até o retorno das aulas em 2020. Mas ninguém contava com a chegada de uma nova doença viral identificada pela primeira vez em dezembro de 2019, na China, e que em apenas três meses foi declarada uma pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ainda com pouco conhecimento sobre esse novo vírus, nos reunimos em janeiro para comentar o que se sabia sobre a epidemia de coronavírus e sobre outros coronavírus em um episódio de férias. Em janeiro, o SARS-CoV-2 estava sendo chamado temporariamente de 2019-nCoV e estava limitado a diferentes países da Ásia, Oceania, Europa e América do Norte, ainda sendo considerada uma epidemia pela OMS.

No Brasil, o primeiro caso de COVID-19 foi identifico no dia 26 de fevereiro em São Paulo. O vírus chegou em pleno carnaval. No mês seguinte, em 11 de março, a OMS alterou o estado de epidemia para uma pandemia, atingindo todos os continentes. No dia seguinte a essa alteração, publicamos o episódio “Pandemia de Coronavírus. E agora Brasil?!“, uma continuação do episódio de janeiro com novas informações e voltado para a situação no Brasil.

Em pouco tempo, a comunidade científica se mobilizou para responder as dúvidas da sociedade – e os cientistas continuam a todo vapor. Com o quebra-cabeça se formando, mas ainda faltando várias peças, lançamos um episódio de perguntas e respostas respondendo questões sobre a origem do coronavírus, se grávidas podem transmitir a doença para os seus filhos, se podemos contrair o novo coronavírus fazendo sexo, da importância de cuidar da saúde mental e outras questões.

Para combater o avanço da COVID-19, diversos estados e cidades do Brasil adotaram medidas de restrição e deslocamento pela cidade em diferentes momentos, seguindo a recomendação da OMS. Em abril, muitos trabalhadores já se encontravam em regime de trabalho remoto, crianças e jovens estavam com as aulas suspensas e os impactos indiretos causado pela COVID-19 e pelo isolamento social já estava se manifestando. Muitas pessoas já estavam com a saúde mental abalada. No episódio “Saúde Mental em tempos extremos” conversamos com Tiago Marot, Daniela Zibenberg e Tainá Ferraz, pesquisadores do Laboratório de Psicologia Social da PUC-Rio, para discutir os efeitos psicológicos do isolamento social na nossa saúde mental e como podemos aliviar esses efeitos.

Ainda em abril, trouxemos uma perspectiva muito importante da pandemia, exploramos o cotidiano de quatro profissionais da saúde e como o novo coronavírus estava impactando suas vidas. Conversamos com Kariny Lima, que trabalhava na produção de kits moleculares para detecção de COVID-19; Sharton Vinícius e Fábio Monteiro que trabalham no processamento de amostras de pessoas doentes na UFRJ; e Ivy Lago, médica que atua na emergência de um hospital da rede privada. Só temos a agradecer a todos os profissionais da área da saúde que ainda continuam salvando vidas e fazendo o seu máximo.

Cinco meses após o início da pandemia, surgem testes rápidos e o desenvolvimento de vacinas e de algumas terapias. Nesse momento, preparamos um episódio inteiro para discutir essas questões e a resposta imunológica ao SARS-CoV-2. No mês seguinte, reunimos algumas perguntas sobre vacinas contra a COVID-19 em nossas redes sociais e demos o nosso máximo para responder todos os questionamentos e, além da equipe do Microbiando, contamos com a participação da virologista Clarissa Damaso e com a microbiologista e divulgadora científica Natalia Pasternak.

Nem tudo foi coronavírus

A exposição às notícias e informações sobre COVID-19 fez com que todos ficassem saturados com a pandemia, por mais que ela ainda esteja em curso e causando milhares de mortes no mundo. Nossa equipe também ficou saturada e as demandas no trabalho aumentaram bastante, por isso, resolvemos dar uma pausa em junho. Mas antes, trouxemos diversos artigos falando sobre microrganismos no espaço sideral, em um episódio somente sobre astrobiologia.

Três meses depois, retornamos com o episódio “Contra o colesterol, use bactérias” discutindo a influencia de bactérias intestinais humanas no nível de colesterol. Ainda assim, retornamos ao tema da pandemia, sempre que necessário. O episódio seguinte foi o “Com quantos testes para COVID-19 se reabre uma universidade?“, que discute trabalhos de modelagem computacional para saúde pública e o quanto os dados que fornecemos para a simulação alteram os resultados.

Ao longo de outubro foram anunciados os Prêmios Nobel e lançamos dois episódios sobre o tema. Este ano, a área de virologia foi agraciada com o Nobel de Fisiologia ou Medicina por conta da descoberta do vírus da Hepatite C. Para o episódio “Como a hepatite C chegou ao Nobel 2020?“, nós trouxemos uma convidada especial, a Dra. Livia Villar, virologista e chefe do Laboratório de Hepatites Virais da Fiocruz do Rio de Janeiro. “Edição de genomas com CRISPR: solução ou problema?” foi o outro episódio publicado sobre o Nobel 2020, agora na área de Química. Esse Prêmio Nobel foi dado para duas cientistas, a Jennifer Doudna e Emmanuele Charpentier, por seus trabalhos com a técnica de edição genômica.

Exploramos dois assuntos na área de microbiologia ambiental. O primeiro foi no episódio “Plantas e fungos: relações de amor e ódio“, no qual discutimos sobre um tipo de fungicida biológico produzido por outro fungo, utilizado na agricultura. O segundo episódio fala sobre microrganismos que vivem nas pétalas das flores e como eles modificam o seu cheiro e fica o questionamento: O perfume das flores é pum de bactérias?

O episódio “Profilaxia Pré-Exposição para HIV: a vez das mulheres” discute a chegada de um novo avanço no controle da epidemia de HIV, a Profilaxia Pré-Exposição feminina, também conhecida como PrEP, que foi anunciado recentemente. Para fechar com chave de ouro e para a felicidade dos microbiologistas e imunologistas de plantão, o episódio “Bactérias intestinais alteram o resultado da imunoterapia contra o câncer” traz a discussão de um artigo que avalia o impacto da microbiota nesta terapia baseada na modulação da resposta imune.

Nova parceria

Tivemos a sorte de ganhar novos parceiros esse ano. A equipe da UFRJ ASM International Student Chapter se incorpora na equipe do Microbiando e começam com o quadro quinzenal “ASM em Pauta” no podcast. O primeiro episódio foi justamente de apresentação da equipe e para explicar “Afinal, o que é o ASM International Student Chapter?“.

Dezembro de 2020 contou com muitas novidades sobre vacinas contra COVID-19 e a Débora Nery, apresentadora do ASM em Pauta, convida os alunos do UFRJ ASM International Student Chapter Ana Carolina Pires, Juliana Oliveira e Vinicius Carvalho para discutir os avanços da vacinas, discutir as diferentes tecnologias e quais desafios ainda faltam ser percorridos.

Encerrando o ano, a ASM em pauta levanta o questionamento de uma próxima pandemia. O episódio “Bactérias multirresistentes: a próxima pandemia?” conta com a participação de Clara Maria Guimarães Silva, Débora Nery, Gabriel Martins e Juliana Oliveira que buscam aumentar a conscientização sobre a resistência antimicrobiana global e encorajar as melhores práticas entre o público em geral, profissionais de saúde e formuladores de políticas para evitar o surgimento e disseminação de infecções multirresistentes.

Como falei ao longo da retrospectiva, a pandemia de coronavírus ainda não acabou, mas estamos caminhando para dias melhores, uma vez que mais de 4 milhões de pessoas já tomaram pelo menos a primeira dose vacina contra COVID-19. Retornaremos em 2021 com as energias recuperadas e com muito mais informações sobre o universo da microbiologia e imunologia do jeitinho que vocês gostam de ouvir. Até logo, pessoal.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe seu comentário