A neurociência da raiva: porque sentimos raiva?

A raiva é um sentimento de protesto, insegurança, timidez ou frustração, contra alguém ou alguma coisa, que as pessoas demonstram quando se sentem ameaçadas. Varia de intensidade e de pessoa para pessoa, podendo ser uma simples irritação ou uma demonstração de fúria.

Os disparos de raiva são diferentes para todos. Mas basicamente: se outros não aderirem às suas normas sociais ou pessoais, você ficará com raiva. Eles variam de acordo com a idade, gênero e até mesmo com a cultura. Por exemplo, a raiva nas mulheres é mais provável desencadeada por suas relações pessoais. Enquanto os homens são mais prováveis de serem irritados por estranhos e objetos que não estão funcionando corretamente.

 

Por que sentimos raiva?
  • Cérebro – O que acontence?

No cérebro, a amígdala, parte do cérebro que faz parte do sistema límbico, é um importante centro regulador do comportamento sexual, do comportamento agressivo, respostas emocionais e da reatividade a estímulos biologicamente relevantes. Quando recebemos um gatilho para a raiva, a amígdala recebe estímulos (1).

A amígdala ativa o  hipotálamo (2), responsável por  ligar o sistema nervoso ao sistema endócrino, sintetizando a secreção de neuro hormônios. O hipotálamo, então, através da descarga do hormônio liberador de corticotrofina (CRH),  sinaliza para a glândula pituitária (3) (conhecida também, como hipófise), fazendo com que as glândulas supra-renais sejam ativadas pelo hormônio adrenocorticotrófico (ACTH). Então, as glândulas supra-renais (4) vão começar a secretar hormônios do estresse como cortisol, adrenalina e noradrenalina (5).

  • Ação dos hormônios de estresse

Muito cortisol diminuiu a seretonina (esse é o hormônio que faz você feliz). Uma diminuição na serotonina pode fazer você sentir raiva e dor com mais facilidade, bem como aumentar o comportamento agressivo e levar à depressão.

O elevado nível de cortisol suprimi as atividades no córtex pré-frontal e no hipocampo. A atividade suprimida no córtex pré-frontal evita que você use seu melhor julgamento, impedindo você de tomar boas decisões. E a atividade suprimida no hipocampo enfraquece a memória de curto prazo. Também impede que você crie novas memórias adequadamente. Sabe quando você está no meio de uma discussão e não consegue lembrar daquele argumento que você tinha ensaiado na frente do espelho? Ta aí o porque!

De acordo com algumas pesquisas, a resposta neurológica à raiva dura menos de dois segundos. É por isso que você recebe muitos conselhos sobre contar até 10 quando estiver com raiva.

 


Referências

McCarthy, Jenna. “Anger Management.” Real Simple. June 2008.

Thomas, Sandra P. “Anger: The Mismanaged Emotion.” Dermatology Nursing. August 2003.

Thomas, Sandra P., Carol Smucker and Patricia Droppleman. “It hurts most around the heart: a phenomenological exploration of women’s anger.” Journal of Advanced Nursing. 1998.

Molly Edmonds “How Anger Works” 19 June 2008.
HowStuffWorks.com.

Você também poderá gostar:

comentários

Luiza Toledo

Formada em Ciência Biológicas: Microbiologia e Imunologia pela UFRJ (2016), atualmente faz mestrado na FIOCRUZ em Saúde Publica e Meio Ambiente, na área de gestão e saneamento ambiental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top 10 mais lidas

%d blogueiros gostam disto: