As diferenças entre frutas e vegetais cultiváveis e suas espécies selvagens

Muitas frutas e vegetais que conhecemos hoje em dia foram selecionados artificialmente por agricultores ancestrais de forma que eles não correspondem ao seu estado selvagem. O ato de domesticar plantas frutíferas selvagens surgiu, provavelmente, durante o quarto e terceiro milênio a.C., emergindo como um importante alimento durante o começo da Era de Bronze.

Não se sabe bem ao certo onde as plantas começaram a ser domesticadas, mas sabe-se que o processo ocorreu individualmente em ambientes diversificados e em épocas diferentes. Alguns pesquisadores afirmam que a domesticação ocorreu através de uma mudança reprodutiva: da reprodução sexual que ocorria na natureza, para a propagação vegetativa de clones feita pelos agricultores.

A seleção artificial das plantas selvagens, ao decorrer de milênios, trouxe grandes adaptações para algumas plantas e seus frutos como a autofertilização (pêssego), hermafroditismo (uva), diminuição ou eliminação de espinhos (muitos cultivos), aumento de tamanho do fruto (tomate), maior variedade de formato, eliminação do amargor (amêndoa) e eliminação de sementes (banana).

Separamos alguns exemplos de frutas e verduras cultiváveis que são bem diferentes de suas espécies selvagens.

Banana

Fonte: Genetic Literacy Project e Andrea

As bananas começaram a ser cultivadas possivelmente há 10 mil anos na Papua Nova Guiné e no sudeste da Ásia. As espécies cultivadas diferem dos seus parentes selvagens por não possuírem sementes e serem partenocárpicas – a fruta cresce sem o desenvolvimento de sementes ou polinização e fertilização. Portanto, as bananas selvagens possuem um formato mais robusto, sementes grandes e duras.

Melancia

Fonte: Shaogui Guo e colaboradores

Estudo indicam que a Citrullus lanatus (nome científico da melancia) teve sua origem na África, uma vez que esse continente apresenta uma grande diversidade espontânea de melancia e a presença de espécies selvagens relacionadas a ela. Sua domesticação ocorreu no Egito e na Ásia ocidental por volta de 2000 a.C. Ao longo do tempo, os seres humanos foram aprimorando e selecionando as espécies de melancia que possuíam o interior carnudo e suculento, ao contrário da melancia selvagem que possui um gosto extremamente amargo.

Tomate

(A) O tomate grande, comum à agricultura moderna (à direita) e o fruto típico de uma espécie selvagem relacionada (L. pimpinellifolium). (B) A gama de tamanhos de frutas e variações de forma no tomate. Fonte: Tanksley, S.

O tomate (Lycopersicon esculentum) foi domesticado por nativos americanos, provavelmente no México. Não se sabe bem o caminho evolutivo que a espécie selvagem teve para chegar a tomates com grandes tamanhos. O cenário mais provável é que nossos ancestrais tenham selecionado plantas com frutos grandes, já que esses tinham mais vantagens para a alimentação.

Milho

Fonte: The Institute of Extraordinary Plants. Imagens: Matt Lavin e cskk

O milho que conhecemos teve sua origem no México, quando agricultores ancestrais começaram a escolher sementes que davam maiores espigas ou grãos mais saborosos. Porém, a maioria das características que conhecemos atualmente no milho somente apareceram quando os europeus começaram a cultiva-lo, a partir do século XV. Graças a essa seleção de sementes ao longo do tempo, hoje, o milho cultivado é 1.000 vezes maior do que era há 9.000 anos.

Cenoura

Fonte: Carrot Museum e Congerdesign

A cenoura teve seu cultivo iniciado durante o século X pelos agricultores persas. As cenouras de antigamente eram roxas ou brancas com uma fina raiz. Após algumas mutações elas perderam a coloração roxa, abrindo espaço para as cenouras amarelas, do qual as cenouras atuais se originaram. Atualmente existem mais de 20 variedade de cenouras, incluindo as roxas, brancas, amarelas e laranjas.


Referências

1975. Zohary, D. e Spiegel-Roy, P. Beginnings of Fruit Growing in the Old World. Science.

2004. Tanksley, S. The Genetic, Developmental, and Molecular Bases of Fruit Size and Shape Variation in Tomato. The Plant Cell.

1986. Spiegel-Roy, P. Domestication of Fruit Trees. The Origin and Domestication of Cultivated Plants.

2007. Heslop-Harrison, J. S. e Schwarzacher, T. Domestication, Genomics and the Future for Banana. Annals of Botany.

1999. Pitrat, M., Chauvet, M. And Foury, C. Diversity, history and production of cultivated cucurbits. Acta Hortic.

2015. Shaogui Guo, Honghe Sun, Haiying Zhang, Jingan Liu, Yi Ren, Guoyi Gong, Chen Jiao, Yi Zheng, Wencai Yang, Zhangjun Fei e Yong Xu. Comparative Transcriptome Analysis of Cultivated and Wild Watermelon during Fruit Development. PLOS.

Learn Genetics. Evolution of Corn.

The Carrot Museum. The History of Carrots.

Science Alert. Here’s What Fruits And Vegetables Looked Like Before We Domesticated Them

 

comentários

Sidcley Lyra

Formado em Ciências Biológicas: Microbiologia e Imunologia pela UFRJ no ano de 2017. Tenho experiência na área de Microbiologia, com ênfase em Microbiologia Ambiental. Além dos estudos que resultou no TCC, participei de alguns projetos de popularização da ciência, como o Cineclube Biofilme e o Ciência em Jogo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: