Os robôs irão roubar seu trabalho?

As etapas da revolução industrial são marcadas por um conjunto de transformações sociais, econômicas e, principalmente, tecnológicas causadas justamente pela chegada de novas tecnologias e inovações no setor industrial.

É um processo que ocorre nos dias atuais e continuará ocorrendo no futuro. Durante séculos, a mão de obra humana vem sendo substituída pelas máquinas, seja para aumentar a produtividade, baixar os custos ou melhorar a qualidade da produção.

No século XVIII e XIX, a primeira etapa da revolução industrial foi marcada pela troca de técnicas de produção artesanal para a produção por máquinas, aumentando a velocidade de fabricação, assim como a taxa de desemprego. O principal avanço tecnológico da época foi a utilização de energia gerada por vapor, através de motores a vapor[1,4].

As fábricas químicas da BASF em Ludwigshafen, Alemanha (1881). Robert Friedrich Stieler (1847–1908) – alte Postkarte.

A segunda etapa da revolução industrial começou em 1860 e se prosseguiu até o período da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Nessa época, a maioria das tecnologias que surgiram na primeira etapa da revolução industrial foi aprimorada.

A eletricidade foi amplamente estudada durante a segunda etapa da revolução industrial por diversos cientistas como o Nikola Tesla, Thomas Edison, Galileo Ferraris e Alexander Graham Bell. Suas invenções resultaram em grandes avanços para a humanidade e, em especial, para a indústria.

A invenção da locomotiva a vapor, utilização da energia elétrica e dos combustíveis derivados do petróleo, a invenção do motor por combustão, a produção em massa de bens de consumo e o desenvolvimento de produtos químicos e métodos de preservação de alimentos foram as principais inovações desse período[2,4].

A terceira etapa da revolução industrial engloba metade do século XX e o século atual, o XXI. As áreas de eletrônica e telecomunicações foram o que revolucionaram essa etapa e não é a toa que também é chamada de Revolução Digital. A invenção dos computadores, o desenvolvimento da informática, a criação da Internet e dos celulares e smartphones é o ponto alto das indústrias. Essas novas tecnologias são empregadas nas indústrias com o objetivo de baixar os custos de produção, aumentar a qualidade e a produtividade. E em algumas vezes, substitui totalmente a mão de obra humana[3,4].

Historiadores e economistas já falam sobre a quarta fase da revolução industrial que seria marcada pela “convergência de tecnologias digitais, físicas e biológicas” e “robôs integrados em sistemas ciberfísicos”. A engenharia genética, robótica e neurotecnologias serão as principais áreas que proporcionarão a automação total das fábricas, no que é chamado a Internet das Coisas[5].

Com isso, o economista Carl Benedikt Frey e o expert em desenvolvimento de inteligências de máquinas, Michael A. Osborne publicaram uma matéria em 2013 em que analisavam o quão susceptível determinados empregos estão a serem automatizados. E de acordo com suas estimativas, cerca de 47% dos empregos nos Estados Unidos estão em risco[6].

Utilizando os dados de Frey e Osborne, @mubashariqbal e @dreamture desenvolveram um site que facilita a procura dos empregos analisados, o “Will Robots Take My Job? (“Os robôs irão roubar meu trabalho?”, tradução livre).

Cada emprego tem um nível de risco de automação que vai de “Totalmente seguro”, “Não se preocupe”, “Comece a se preocupar”, “Os robôs estão observando” até “Você está ferrado”.

Com um total de 47% de empregos ameaçados, a resposta para o título dessa matéria é: provavelmente sim.

Para você conferir se seu emprego está comprometido, acesse o Will Robots Take My Job? e faça a pesquisa.

Veja alguns exemplos que separamos nas imagens abaixo:

Clero – 0,81% – Totalmente seguro

Clero – Conduz adoração religiosa e outras funções espirituais associados com crenças e práticas de fé religiosa. Provê orientação e assistência espiritual e moral aos membros.

 

Microbiologista – 1,2% – Totalmente seguro

Microbiologista – Investiga o crescimento, estrutura, desenvolvimento e outras características de organismos microscópicos, como bactérias, algas ou fungos. Inclui microbiologistas médicos que estudam a relação entre organismos e doenças ou o efeito de antibióticos em microrganismos.

 

Garçom e garçonete – 94% – Você está ferrado

Garçom e garçonete. Anota pedidos e serve comida e bebidas aos clientes em mesas em restaurantes

 


Referências:

[1] Wikipédia. Revolução Industrial.

[2] Wikipédia. Segunda Revolução Industrial.

[3] Wikipédia. Revolução da Informação.

[4] Só História. Revolução Industrial.

[5] Valéria Perasso. O que é a 4ª revolução industrial – e como ela deve afetar nossas vidas? BBC Brasil

[6] Carl Benedikt Frey e Michael A. Osborne. The Future of Employment: How susceptible are jobs to computerisation? Oxford Martin School.

 

Você também poderá gostar:

comentários

About Sidcley Lyra

Formado em Ciências Biológicas: Microbiologia e Imunologia pela UFRJ no ano de 2017. Tenho experiência na área de Microbiologia, com ênfase em Microbiologia Ambiental. Além dos estudos que resultou no TCC, participei de alguns projetos de popularização da ciência, como o Cineclube Biofilme e o Ciência em Jogo.

View all posts by Sidcley Lyra →

One Comment on “Os robôs irão roubar seu trabalho?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *